29/05/13 - Empresas apostam em aplicativos para delivery

A facilidade de pedir entregas de comida e realizar o pagamento via celular

A facilidade de pedir entregas de comida com alguns toques no smartphone, ainda não se tornou hábito entre os brasileiros, mas as empresas que oferecem o serviço por aqui apostam em crescimento de 100% ao ano até 2015.

Em alguns dos aplicativos, é possível realizar o pagamento por cartão de crédito direto do próprio celular. Outro recurso é a identificação de restaurantes do entorno que estão abertos no momento da busca.

Criada em 2011, a startup brasileira iFood recebeu, em fevereiro deste ano, investimento de US$ 2,6 milhões (cerca de R$ 5,2 milhões) da companhia latino-americana de negócios para celular Movile.

A aposta é ganhar o mercado brasileiro de delivery, que movimentou R$ 8 bilhões no ano passado, de acordo com estimativas da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel).

O iFood tem hoje mais de mil estabelecimentos cadastrados em 15 cidades e aceita pedidos por meio de aplicativo e de seu site. No segundo semestre, deve passar a atender também Brasília, Curitiba e Porto Alegre.

Atualmente, 42% dos pedidos são feitos por celular. ´´Mas a tendência é que, até o final do ano, o mobile supere o site´´, diz Felipe Fioravante, 29, CEO da empresa. Por mês, somando-se as duas plataformas, são realizados 50 mil pedidos.

A empresa Jánamesa, criada em agosto de 2012, também aposta alto em crescimento. Até 2014, pretende processar 100 mil pedidos mensais e alcançar todas as cidades-sede da Copa do Mundo. Atualmente, o serviço atende São Paulo e Rio.

Os números daqui, no entanto, ainda estão longe dos do GrubHub, aplicativo de delivery líder nos Estados Unidos. Iniciado em 2004, o serviço, que teve investimento de US$ 84,1 milhões (R$ 169 milhões), reúne pedidos online de mais de 20 mil restaurantes de 500 cidades.

 

Teste

O "Comida" testou o aplicativo iFood nas zonas norte e sul da capital paulista. Nos dois locais, o pedido foi registrado sem problemas com o uso do programa. Mas é preciso certificar-se de que há boa conexão de internet no momento da escolha, caso contrário é preciso recomeçar o processo.

No bairro da Saúde, na região sul, a entrega foi feita dentro do prazo anunciado. Na Vila Medeiros, na zona norte, no entanto, houve atraso de 20 minutos na entrega de um hambúrguer pedido pela rede The Fifties.

A estimativa anunciada era de 25 a 40 minutos. A entrega chegou somente uma hora depois.

 

Outro lado

Por meio de sua assessoria de imprensa, o iFood disse que não é responsável direto pelo cumprimento do prazo de entrega, que é informado pelos próprios restaurantes.

A gerência de delivery do The Fifties disse que houve falha da loja para a qual foi feito o pedido, pois cada local da rede deve atualizar o tempo estimado de entrega. Segundo a rede, em caso de demora, o cliente pode fazer reclamação pelo call center.

 

Fonte: Folha de São Paulo