Mulheres que sofreram violência domésticas também foram beneficiadas pelo projeto Cozinha e Voz, que conta com o apoio da Abrasel no Mato Grosso do Sul

alt

Paola Carosella, destacou que o amor, a educação e as oportunidades iguais resumem a essência do que é o Projeto


Foi realizado nesta quarta-feira (28) em Campo Grande a entrega de 19 certificados de assistente de cozinha a 19 mulheres custodiadas do sistema penal e vítimas de violência doméstica. As profissionais foram pelo projeto nacional Cozinha e Voz, promovido pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS).

O evento contou com a presença da chef de cozinha Paola Carosella, idealizadora do projeto e uma das juradas do programa MasterChef Brasil.Segundo a organização, além da entrega dos certificados houve oficina de poesia, com o objetivo de desenvolver a oralidade e a expressão da linguagem das participantes, assim como, profissionalizá-las no ramo gastronômico para ingressarem no mercado ou apostarem no empreendedorismo. “É incrível ver o resultado, aprender com essas mulheres, com as histórias delas, a riqueza que eu ganhei e o compartilhamento de vivências que eu tive a sorte de conhecer”, declarou Paola.

Voltado a atender mulheres em situação de vulnerabilidade, o curso de Assistente de Cozinha foi ministrado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) que teve como foco o aprendizado de técnicas gastronômicas e a postura adequada. “As alunas aprenderam a se portar dentro da cozinha, a manusear facas e utensílios, a realizar pré-preparo e cortes de legumes, carnes, peixes e aves, além de montar a praça – área de trabalho dentro de uma cozinha”, informou a instrutora Miríam Arazini.

Quatro participantes foram selecionadas para realização do estágio remunerado no Restaurante Escola do Senac e as restantes farão entrevistas de emprego para atuarem em bares e restaurantes de Campo Grande. Foi o que garantiu o presidente da Abrasel no estado, Juliano Wertheimer.

“Eu nunca pensei na vida que eu iria participar deste Projeto. Nós somos os que não são vistos na sociedade. Nós já erramos, sofremos violência e o que falta é oportunidade para sermos pessoas melhores e para não cometermos erros novamente. E foi isto que eu encontrei aqui”, afirmou Mayara Tatiane da Silva, de 32 anos, que está em cumprimento de pena com tornozeleira eletrônica e é uma das selecionadas pelo Senac.

Maria José Ferreira Dantas, de 44 anos se emocionou ao dar seu depoimento. “Hoje concretizei um grande sonho, e agora posso provar para o mundo que eu sou capaz, que aprendi e venci. Tudo aquilo que eu passei ficou para trás e agora em diante eu tenho como provar que eu sou cozinheira”, explicou.

No Estado, a iniciativa nacional é uma realização do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, por intermédio da Coordenadoria da Mulher e Escola Judicial, em parceria com o Ministério Público do Trabalho, a Organização Internacional do Trabalho, o Senac Gastronomia e Turismo, Abrasel no MS e a Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen).

Fonte: Capital News