Para a Abrasel no RN, há opções mais baratas feitas por especialistas que não tem o impacto econômico, social e ambiental negativo como a que está sendo proposta



Empresários, moradores e membros de associações de Ponta Negra se reuniram na manhã desta quarta-feira (2), em frente à feira de artesanato de Ponta Negra (Natal/RN) em protesto contra as obras que estão sendo pautadas para a avenida Engenheiro Roberto Freire.

Com faixas carregando dizeres como "Há alternativas mais inteligentes", os empresários pedem por soluções alternativas às obras propostas pelo Governo do Estado para a avenida que possui um comérsio intenso, além de Universidades e supermercados. Para os empresários, a proposta apresenta pelo Governo do Estado represente a "morte" do comércio na avenida e a divisão de Ponta Negra.

A proposta apresentada traz aspectos como a instalação de trincheiras e viadutos, alternativas classificadas como antiquadas por especialistas e pelos empresários. Na quinta-feira (03), a convite do Governador, os membros da Abrasel irão se reunir para discutir a proposta e possível alternativas. Segundo Arthur Fontes, presidente da Abrasel no Rio Grande do Norte, "há opções mais baratas feitas por especialistas que não tem o impacto econômico, social e ambiental negativo como essa que está sendo proposta".

Entre os principais impactos da obra, estão o declínio comercial da região situada entre Hiper/Nordestão, Shopping Cidade Jardim/CCAB Sul e também a degradação do ambiente de Ponta Negra, com declício de bares, restaurantes e hotéis.